UMA HISTÓRIA SOBRE CONEXÃO

16 de outubro de 2018

Quando foi a última vez que respiraste ar puro, aquele ar que quase te perfura de tão cristalino que é? 
Quando foi a última vez que cheiraste a terra molhada, que reparaste no crescimento de uma árvore ou que paraste para observar o mar, tudo isto sem o telemóvel na mão, sem o registares? Antigamente, quando os computadores e a rede surgiram, ficávamos entretidos durante uma hora ou duas para fugir à vida real. Era o recomendado, dentro do saudável. Lembro-me de ler as instruções da Playstation, também, onde era explícito que demasiadas horas em frente ao ecrã podiam ser perigosas. Eu, criança, ficava consciente do perigo - sabia que não o podia fazer em excesso. Agora, temos de sair à rua para fugir à vida virtual. É complicado não estarmos conectados. O pior é que quanto mais estamos conectados a um mundo, menos estamos a outro. Quero conectar-me ao real. Não respirar apenas o ar puro: senti-lo. Quero ler mais e mais, dar a mão às artes, que são a estrada do divino - porque as artes não julgam, não possuem formas, cores, conceitos. Elas existem apenas, e ligam-nos ao universo de uma forma desenvolvida. Abrem-nos a mente para todo o pequeno detalhe. A sensibilidade. A razão. Quanto mais conscientes somos, mais conectados podemos estar. Quero conectar-me, partilhar, gostar. Tudo ao vivo e a cores. 

                                                                                    
                                                                                                  Fotografias: Joana César



Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixa aqui o teu comentário, opinião, ou pergunta! Para obteres respostas mais rápidas envia um email para the-heaven-rose@hotmail.com ♡