9 de fevereiro de 2014

let them eat cake, said Marie Antoinette

Aproveitando o facto de ter acabado de aprender sobre a Revolução Francesa em História A, decidi investigar mais. Vi alguns documentários e fiz pesquisas a fundo, porque o saber nunca ocupa lugar. Para juntar o útil ao agradável, ouvi falar sobre o Marie Antoinette, um filme biográfico sobre Maria Antonieta, a mulher de Luís XVI que na altura da Revolução era o rei de França, e decidi vê-lo.


Maria Antonieta era uma jovem austríaca que acabou por se casar com o francês Luís XVI, tornando assim os dois países aliados. Antonieta passou a viver no Palácio de Versalhes juntamente com o rei e com a sua corte. Apesar de esta ser a vida que todos desejavam, cheia de mordomias, luxos e riquezas, Maria estava bastante descontente pois não se identificava com o espírito das pessoas que lá viviam e muito menos com as fofocas constantes que tinha de ouvir, principalmente relacionadas com o facto de não conseguir gerar um herdeiro para o trono. 



Revela desde o início ter uma personalidade forte, independente e ''infantil'', e por isso mesmo é que por vezes se isolava no meio do campo ou ia para o seu quarto secreto, ignorando o mundo à sua volta. A certa parte do filme, quando se vê parte dos seus sapatos, aparece no fundo um par de Converse, sapatos que na altura não existiam. Porém, não foi uma falha, mas sim uma referência à jovialidade de Maria Antonieta.   



Era conhecida pela sua beleza e elegância estonteante, digna de um anjo, sendo a sua cara comparada até a um ''cupcake''. Adorava roupa, principalmente em tons suaves - well, aqui temos um ponto em comum! - que realçavam a sua beleza. Todo o guarda roupa usado no filme é extremamente bonito e bastante ostentoso, totalmente do género que adoro com flores e detalhes dourados em estilo barroco. Para não falar da decoração, igualmente em estilo barroco.


Well, não me poderei adiantar mais sobre o assunto, caso contrário estragarei a visualização do filme para quem ainda não o viu! Após tê-lo visto, a minha paixão por macarons, Paris, cores suaves, o barroco e a delicadeza só aumentou. Acho que é uma verdade comum a todos que quando se acaba de ver um filme, se fica com todo o espírito da história durante umas horas. Ora portanto, eu fiquei a fazer de rainha delicada apaixonada por bolinhos durante umas duas horas... 
Bolinhos à parte, adorei o filme. Para além de ter ficado a compreender melhor a história, numa visão muito mais soft e divertida escrita pela Sofia Coppola, ainda pude sonhar com todos os guarda roupas. 
Fica aqui então uma recomendação para quem ainda não viu. Quem viu, o que achou?