down on the west coast

2 de julho de 2019

Quando era mais nova estava sempre a dizer que queria ser uma hippie, ter os cabelos compridos e ir viver para a Austrália. Acampava na sala com uma tenda colorida e ficava lá o dia todo, a fingir que existiam ursos que iam atacar o meu forte a qualquer momento e que me teria de defender. Hoje, o excesso de aranhas nesse país muda um bocadinho o meu desejo mas ainda quero um cabelo comprido e pé descalço no chão. Um vestido bem leve e dançar apenas com as cearas à minha volta. Uma manta no chão e o momento faz-se sozinho. 


  fotografia: Joana César 


steady as she goes

30 de junho de 2019

É no mais simples que se encontra o mais belo. Desde pequena que era algo que a minha mãe me dizia, ensinando-me a preferir a simplicidade como caminho para atingir algo maior. Até então, segui esse conselho quase religiosamente, e fui aprendendo a criar muito com pouco. No sítio certo, à hora certa, todos nós brilhamos. De dia, o sol. À noite, as estrelas. Cada qual com o seu lugar e propósito. Se soubermos onde estamos, no universo, sabemos o que temos de fazer para brilhar. 


  fotografia: Joana César 

something good

24 de maio de 2019

Dentro de mim estão todos os cenários que quero viver. As hipóteses, as vidas. Alguns deles já vivi e não sei, não me lembro. Imagino um sítio, uma praça. Estou lá no meio, e à minha volta estão corredores de pilares. Como se estivesse fechada num quadrado. Dentro de mim está um sítio e não sei qual é. Sempre quis saber e já falei deste sítio a tudo e todos. 
Procuramos lugares nos cantos mais escondidos dos nossos cérebros na esperança de encontrarmos uma resposta, quando a resposta não está lá. Então, vamos sempre a correr num infinito escuro para uma luz que fica sempre mais longe. Procuro sempre saber que lugar era este. Vasculho no meu passado porque é mais fácil do que vasculhar no futuro, mas até perceber que não é lá que vou encontrar qualquer tipo de resposta, a corrida mantém-se. Um dia, mudo a rota. Não vou procurar mais. Um dia, estou a andar nessa tal cidade desfigurada e, do nada, vou encontrar essa praça cheia de pilares que tão bem imagino. 

Para a vida, façamos o mesmo. 


Foto: Irís Cabaça