18 de outubro de 2017

When The World Was At War We Kept Dancing

Não, não se enganaram no blog. Não, não tenho uma irmã gémea com cabelo mais escuro. Esta pessoa aqui em baixo sou eu, depois de me ter cansado de ter o cabelo claro. O problema é que já nem era uma cor bonita, era apenas o conjunto de todos os erros capilares que já fiz na vida. Quis livrar-me disso e escolhi dar um ar uniforme ao cabelo, de uma vez por todas. Até porque é o que esta altura do ano pede: mudança. 

Quanto ao conjunto, tenho a dizer que é um dos meus preferidos de ultimamente. Quando encomendei este casaco não me lembrei da dificuldade que é conjugar um padrão deste género. Ainda por cima eu, que mal uso polka dots. Tenho sempre uma certa inclinação para coisas difíceis ou que nem sequer estão na moda - porém, é um desafio que gosto de aceitar. Vivemos num mundo tão visual, onde os conteúdos nos são dados constantemente, que por vezes fugir à regra é complicado. Quando consumimos conteúdo visual muito idêntico a nossa inspiração por vezes vai por água abaixo. Na minha opinião, é algo que acontece muito devido às tendências, pois estamos sempre a ver pessoas diferentes com as mesmas roupas. Não critico, também eu gosto das peças tendência, claro. Ainda assim, o esforço mental para criar algo diferente pode ser maior mas no final vale a pena. E talvez tenha sido por isso que senti mais dificuldade em combinar uma peça que ultimamente não é das que mais se usa. Mas não se preocupem muito com isso, desde que gostem do que usam, estão sempre na moda!



Blazer from HERE  | Pants (c/o) HERE |  Sneakers from Lacoste (JD Sports) | Vintage Shirt | Bag from Heaven's

Fotografia por Diogo Direitinho

15 de outubro de 2017

because in my dreams we are still together

A intenção era ir ao Festival da Sapateira, em Santa Cruz. Decidido à última da hora e com nada planeado, cheguei a esta terra à beira mar plantada - uma plantação daquelas rebeldes mas perfeitas. Distraí-me com o que encontrei muito facilmente e a intenção perdeu-se algures entre uma varanda com uma vista perfeita e umas ondas que me assustaram pela violência, rapidez e grandeza. Não pensei em mais nada. Perdi-me com o que os meus olhos estavam a ver. Dei uma volta grande pela praia, apaixonei-me pelos bancos às riscas com vista para o mar e subi até um dos pontos mais altos para apreciar por completo o que Santa Cruz oferece. Pelo meio, encontrei a tal varanda que já falei e que vêem logo na primeira foto. Senti que estava num sonho daqueles meio distorcidos onde tudo é perfeito, e, de repente, lembrei-me de uma das cenas do meu filme preferido, o Inception - onde um dos refúgios da personagem principal é uma praia perfeita. 

O nevoeiro chegou rápido e não vi um pôr do sol muito nítido - ainda assim, consegui ver o dia a morrer por entre as nuvens, que, no entretanto, deixam alguns raios de sol mais fracos passar. Ficou a promessa de lá voltar para ver um fim do dia limpo. 


11 de outubro de 2017

be who you needed when you were younger

Quando era muito mais nova gostava de dar vida às barbies - daquelas vidas bem dramáticas onde demorava horas a escolher-lhes a roupa para depois tentar tirar-lhes uma peça que era muito fácil de vestir mas muito difícil de despir, já a prever a dificuldade que iria ter na minha vida futura a despir calças justas. Para além disto, havia outra vertente que se destacava, vertente essa que me valeu nódoas na pele e na roupa. Passava horas na rua a brincar com rapazes, a jogar à bola, às escondidas, à apanhada e até mesmo com caixas de cartão. Brincar na rua era a minha coisa favorita no mundo - provavelmente depois dos Teletubbies. Perdia a noção do tempo que por lá passava e o mais engraçado era ser a única menina. Leia-se, então: era uma maria rapaz. 

É engraçado porque uma das minhas frases preferidas é "Be who you needed when you were younger", e mal sabia eu que o que precisava mesmo era de ser como sou hoje, tão feminina - por vezes - e com o caminho que escolhi. Quando somos mais novos, tudo parece possível, e, afinal, a heroína que precisava está mesmo aqui, com um blazer preto, um vestido de renda e uns sapatos cor de rosa. Nunca mais encontrei os amigos com quem brincava na rua, mas tenho a certeza que também se tornaram nas pessoas que precisavam quando eram mais novos. Quase me esquecia, mas foi este o look que escolhi para a festa de 10 anos do programa KUWTK (organizada pelo E! Entertainment). Espero que gostem muito muito das fotografias. 


Fotografia por Diogo Direitinho